ABRAÇOS

Tive a pretensão de saber todos os abraços;

de conhecê-los e de praticá-los.

De receber totalmente o espírito do corpo que eu abraçava;

de aceitar e de ser aceito, completamente…

 

Pretensão de ter provado de todos os abraços:

o mais doce, o mais rápido, o mais leve, o mais apaixonado,

o mais forte, o mais quente, o mais longo, o mais triste,

o mais solto e o mais sincero…

 

Mas, naquele final de noite, após três turnos de trabalho,

nossos corpos se encontraram, naturalmente suados

e com sonos em nossas pálpebras,

toda teoria

– de que devemos tomar um banho antes do abraço

e de que a qualidade da roupa determina o prazer dos corpos –

perdeu a validade…

 

No silêncio noturno, nossos corpos se fundiram

como se fossem partes de uma mesma peça;

sem faltas nem excessos, num todo homogêneo.

Abraço forte e suave, apenas não-permanente.

 

Foi esse abraço que nos fez esquecer todos os anteriores e

foi esse abraço que decretou haver mais haver abraços assim…

Tessari, Mario. Poemas de Mario Tessari que eu Gosto – Maria Elisa Ghisi. Jaguaruna, Edição do autor, 2014. (pg 33)

Anúncios

Um comentário sobre “ABRAÇOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.