RELAÇÕES CONJUGAIS


RELAÇÕES CONJUGAIS

 

Podemos viver solitariamente ou não.

 

É nosso direito viver na nossa toca,

sem dar importância ao que os outros falam.

As pessoas solteiras vivem sem jugo.

 

A maioria, porém, escolhe o jugo

de uma mulher, de um homem,

de outra mulher ou de outro homem

e se tornam cônjuges que

vivem voluntariamente conjugados.

 

 

Os contratos conjugais

– tácitos ou explícitos, verbais ou cartoriais –

unem dois (ou mais, atualmente)

em relações de dependência

ou de convivência simétrica;

ambas podendo ser estáveis ou instáveis,

equilibradas ou com dominação alternada.

 

 

Em quaisquer dessas circunstâncias,

um, os dois e todos são responsáveis

pelas escolhas que fazem

e sempre estarão no domínio da decisão,

podendo romper, alterar ou confirmar

o modo como querem estar no mundo.

 

 

Aos amigos,

cabe o direito e a obrigação de interceder,

para dar senso de realidade, opiniões e sugerir.

 

No caso dos filhos,

os pais têm o direito de preferir

que eles tenham consciência,

assumam com responsabilidade,

não explorem e não sejam explorados.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.